Pesquisar este blog

Carregando...

Com crise ou sem crise, Campos terá shows para todos os lados


Pelo menos uma decisão já foi tomada no futuro governo Rafael Diniz (PPS): Com ou sem condições financeiras os shows estão garantidos em vários bairros e distritos de Campos. 

Na Cultura, os shows ficam por conta do filho de Nelson Nahim, o Helinho Nahim, também conhecido como Alemão. 

Acima Nahim está à futura presidente da FCJOL, Cristina Lima, que entende bem dessa área de shows. 

Lima adquiriu muita experiência na área nos governos Arnaldo Vianna e Alexandre Mocaiber. 

A decisão foi revelada em recente reunião de transição. 

Bom, só não podem dizer depois que pegaram uma prefeitura quebrada e que não há dinheiro para outras áreas. Aliás, nem tentar justificar dizendo que a iniciativa privada vai bancar tudo. 

Qual empresário, em meio a uma crise econômica, vai financiar shows a troco de nada? 

Só se os empresários forem... deixa pra lá. 

Vai faltar comida nos presídios do Rio; Sérgio Cabral também corre risco


O conceituado jornalista Ricardo Bruno, soube através de suas fontes que os presidiários do Rio podem ficar sem alimentação nos próximos dias por falta de dinheiro nos cofres do estado. 

Será que o ex-governador Sérgio Cabral, que está passando uma temporada no complexo de Bangu, também corre o risco de ficar comida?


Saindo do forno - 2


Conforme informamos sobre uma das ações que vai pedir a cassação e inelegibilidade do prefeito eleito Rafael Diniz (Saindo do forno), o blog recebeu a informação de que outras correntes políticas devem ingressar com pedido de celeridade na tramitação processual, como vem ocorrendo em outros casos no município. 

Segundo uma fonte do blog, o PDT vai contratar advogados pesos-pesados para acompanhar os processos. 

Caciques de olho 

Entre alguns caciques do estado a certeza de uma nova eleição é tão grande que já começaram a discutir sobre as alianças para o pleito suplementar. 

Casos semelhantes

Em seu blog, o ex-governador Anthony Garotinho comparou a situação de Rafael Diniz com o prefeito de Cardoso Moreira, Gegê Cantarino, que ficou inelegível por usar um clube que mantém contrato com a prefeitura (Gegê Cantarino hoje é Rafael Diniz amanhã). 

Batom na cueca

A situação de Gegê Cantarino não chega perto de Rafael. O "batom na cueca" de Rafael é o vídeo do próprio fazendo comício no hospital, que recebe verba do SUS e prefeitura.

Em casos bem menos graves, o TRE e o TSE não perdoaram.

Garotinho alerta que ex-chefe da Casa Civil de Sérgio Cabral prepara fuga do Brasil


O ex-governador Anthony Garotinho enviou uma petição ao juiz Marcelo Bretas em que pede a retirada do passaporte do ex-chefe da Casa Civil do Rio, Regis Fichtner. Segundo Garotinho, Fichtner prepara uma fuga iminente do Brasil para não ser preso numa próxima etapa da operação Calicute.

Fonte:Radar online, Veja.

“O que posso dizer é que não garanto o pagamento das 13 folhas de 2017", diz secretário de Pezão


O secretário estadual de Fazenda, Gustavo Barbosa, prevê mais dificuldades em 2017. Segundo ele, a previsão é de um aperto ainda maior nas contas, o que deverá impactar o pagamento dos servidores: “O que posso dizer é que não garanto o pagamento das 13 folhas de 2017.

Teremos um ano ainda mais complicado do que 2016. Por isso, a importância das medidas enviadas à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) e as ações sobre receitas extraordinárias”, disse Barbosa.

Segundo o secretário, se nada for feito para aumentar a arrecadação e diminuir as despesas estaduais, o cenário será de mais dívidas para o próximo ano.

No início de novembro, o governador Luiz Fernando Pezão afirmou que o Rio somente terá condições de bancar até oito folhas salariais no próximo ano.

Fonte: Jornal Extra

Clarissa Garotinho defende punição por abuso de autoridade dos integrantes do judiciário


A deputada federal, Clarissa Garotinho, usou sua página no facebook para defender a punição por abuso de autoridade dos integrantes do poder judiciários. 

Clarissa Garotinho votou a favor para que a medida fosse incluída no pacote anticorrupção. 

"Muito está se falando sobre as medidas contra a corrupção votadas nesta madrugada, no Plenário da Câmara dos Deputados. Um dos itens que está gerando bastante polêmica é a previsão de tornar crime o abuso de autoridade de juízes, promotores e procuradores. Votei a favor desta medida. 

A Lava Jato é conduzida pelo juiz Sérgio Moro e por procuradores que ganharam nossa admiração e respeito pelo trabalho que estão fazendo, mas nem todos os juízes e procuradores são como eles.

A maioria de juízes realiza com muita correção os seus trabalhos mas, como em qualquer categoria, nem todos.

Atualmente, a pena máxima para juízes que cometerem abuso de autoridade é a aposentadoria integral. Isso é punição para alguém? Com a medida, estamos modernizando uma legislação de 1965, do tempo da ditadura, e dando sequência a um debate que acontece há muito tempo, desde 2009. 

Se queremos lutar contra a corrupção, não podemos proteger nenhuma categoria. A emenda do PDT não tem nenhum objetivo de atrapalhar investigação alguma, muito menos a Operação Lava Jata, que está passando o Brasil a limpo.", disse Clarissa.

Petróleo dispara com reunião da Opep


Os barris de petróleo negociados em Londres e Nova York registram forte avanço nesta quarta-feira (30), dia de reunião formal da Opep. O mercado está na expectativa pela formalização do acordo para congelar a produção, sinalizado em setembro. A Arábia Saudita deu sinais ao mercado de que o pacto deve ser efetivamente alcançado.

O ministro de Energia da Arábia Saudita Khalid al-Falih disse nesta quarta-feira que o país está preparado para aceitar um grande impacto em seu ritmo de produção, e que concorda com o congelamento da produção do Irã nos níveis pré-sanções.

Fontes da Reuters dizem que o primeiro acordo da Opep já foi alcançado, nos moldes do apresentado na reunião da Argélia em setembro. O anúncio oficial deve ser apresentado na tarde desta quarta-feira.

Às 11h43, o preço do barril de Brent para fevereiro negociado na International Exchange Futures (ICE), em Londres, registrava avanço de 7,61%, a US$ 50,92. O barril de WTI para entrega em janeiro, negociado no New York Mercantile Exchange (Nymex), em Nova York, por sua vez, tinha valorização de 7,27%, a US$ 48,52.

Às 14h11, o barril de Brent teve alta de 8,14%, a US$ 51,17. Já o barril de WTI tinha alta de 7,87%, a US$ 48,79.

Na véspera, os contratos futuros dos barris de petróleo tinham fechado em baixa, após relatório do Goldman Sachs, que apontaram que a produção de petróleo teria uma chance de apenas 30% de ser reduzida.Os barris de petróleo negociados em Londres e Nova York registram forte avanço nesta quarta-feira (30), dia de reunião formal da Opep. O mercado está na expectativa pela formalização do acordo para congelar a produção, sinalizado em setembro. A Arábia Saudita deu sinais ao mercado de que o pacto deve ser efetivamente alcançado.

O ministro de Energia da Arábia Saudita Khalid al-Falih disse nesta quarta-feira que o país está preparado para aceitar um grande impacto em seu ritmo de produção, e que concorda com o congelamento da produção do Irã nos níveis pré-sanções.

Fontes da Reuters dizem que o primeiro acordo da Opep já foi alcançado, nos moldes do apresentado na reunião da Argélia em setembro. O anúncio oficial deve ser apresentado na tarde desta quarta-feira.

Às 11h43, o preço do barril de Brent para fevereiro negociado na International Exchange Futures (ICE), em Londres, registrava avanço de 7,61%, a US$ 50,92. O barril de WTI para entrega em janeiro, negociado no New York Mercantile Exchange (Nymex), em Nova York, por sua vez, tinha valorização de 7,27%, a US$ 48,52.

Às 14h11, o barril de Brent teve alta de 8,14%, a US$ 51,17. Já o barril de WTI tinha alta de 7,87%, a US$ 48,79.

Na véspera, os contratos futuros dos barris de petróleo tinham fechado em baixa, após relatório do Goldman Sachs, que apontaram que a produção de petróleo teria uma chance de apenas 30% de ser reduzida.

Fonte: Jornal do Brasil